Paysandu: Tony apresenta Lucas Conde e já rebate críticas: “Acreditamos na juventude”

arde desta quinta-feira serviu para Lucas Conde ter seu primeiro contato com a imprensa paraense desde foi anunciado como novo diretor de futebol do Paysandu. E ele inicia sua nova função em momento turbulento e de desconfiança em razão da sua pouca idade e breve vida no clube. No entanto, o economista e empresário foi apresentado pelo presidente Tony Couceiro, que, logo de cara, rebateu algumas das críticas feitas ao novo dirigente.

– O Lucas é um gestor, economista por formação. Ele tem 27 anos, mas acho que pouca idade não é sinônimo de incompetência, assim como muita idade não é sinônimo de competência. Por exemplo, dois anos atrás tivemos o Marcelo Sant’Ana sendo eleito presidente do Bahia com 33 anos. Meu pai foi presidente do Paysandu com 32 anos. O Lucas é um estudioso do futebol, tem muitos contatos. Ele e o Mazzuco formam uma dupla poderosa de contatos e a gente está muito feliz por ele ter aceitado. É importante falar que não é só o Lucas que é novo, é a diretoria do Paysandu que é toda nova. A grande maioria dos nossos diretores tem de 30 a 40 anos. Os mais experientes apoiam toda essa juventude. A gente acredita na juventude para tocar o Paysandu – frisou Couceiro.

O presidente do Papão também explicou porque optou por dissolver a antiga comissão de futebol, formada por três diretores, para agora ter apenas uma pessoa na função.

– É um cargo difícil. Demanda muito tempo, muita responsabilidade e sofre muita agressão gratuita. Não é fácil. O diretor de futebol tem que gostar muito do clube e estar muito disposto para trabalhar. Nós decidimos convidar agora só uma pessoa, que é o Lucas. Foi um teste (antes) com três, e agora achamos por bem ficar só com um diretor em 2018. Lógico, temos outras pessoas ajudando no futebol. A gente ouve muita gente – explicou o mandatário.

Lucas Conde iniciou a vida política no Paysandu em 2013, quando foi eleito como conselheiro do clube. Este ano, fez parte da comissão que geriu as categorias de base. Agora, tem como função auxiliar na busca e contratação de atletas ao lado do executivo André Mazzuco. Conde adiantou quais serão os critérios para a escolha dos jogadores.

– Os atletas que vêm hoje para o Paysandu seguem três características. Primeiro, são comprometidos com as causas do clube. Em seguida, são atletas que nós não vamos fazer loucura para trazer. E são jogadores que passaram pelo crivo tanto do Mazzuco e do Marquinhos (Santos), quanto meu e do Tony. Tenho os mesmos contatos que qualquer amante do futebol possui e pessoa da área possui, e a gente está do lado de um grande executivo que vai nos auxiliar nessa busca e nessas contratações. São atletas que vêm pelo desempenho de dentro de campo, e não por causa dos contatos – adiantou.

Após a apresentação do diretor de futebol, André Mazzuco anunciou a renovação de contrato do volante Renato Augusto e quatro contratações: o volante Cáceres, do meia Pedro Carmona e dos atacantes Cassiano e Mike. O elenco inicia a pré-temporada no dia 3 de janeiro.

Confira outros trechos da entrevista de Lucas Conde

Vida no clube
“Cheguei no Paysandu, para Conselho, em 2013. Essa temporada estive na base, ao lado da comissão com o Ivan, o Paulinho e o Alessandro. Quando estive lá, a gente não ficou só aqui em Belém. Nós tivemos que visitar vários lugares. Estivemos por Santa Catarina, São Paulo, no Rio, estreitando relações com os mais diversos clubes possíveis. Dentro dessa cancha do ano passado e anos anteriores e dos estudos dentro do futebol, temos que pensar o que será melhor ao assumir a diretoria do futebol”.

Trabalho dentro e fora do Papão
“A família é apoio. Claro que teve um pouco de receio, porque a gente acaba sendo vidraça e pedra vem de todos os lados, mas o apoio familiar é a base para se assumir qualquer desafio, no futebol ou em qualquer outra área. A vida profissional vai andar em paralelo com a vida dentro do Paysandu e não tenho dúvidas que as duas receberão o mesmo cuidado e tratamento, mas, claro, esse desafio no Paysandu demanda um pouco mais de responsabilidade”.

O que busca no mercado
“Jogadores fortes, jogadores agressivos, que queiram estar no Paysandu desde o início do Paraense, mas também para subir para a Série A. O pensamento é esse, não há outra ideia. A manutenção de boa parte do elenco, se você for analisar, é pensando nisso. Nenhum elenco é formado em um ano e, no mesmo ano, já obtém resultado. Não, o nosso já vem desde o ano passado e, em 2018, traremos peças pontuais. É isso que a gente está fazendo, que estamos buscando, também com responsabilidade financeira”.

Fonte: Globo Esporte.com

Foto: Fernando Torres/ Ascom Paysandu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *